sábado, 4 de outubro de 2008

O homem no muro

A vida passa e o homem assiste
acomodado sobre o muro ele vê
Há vida, aaah! vida que passa
e sobre o muro o homem assiste
sem ação, sem movimento, só vê
suspira esse homem sobre o muro
não desce e nem escolhe partido
A vida passa e o homem assiste
acomodado sobre o muro ele vê
Há vida, oooh! vida que custa
demora, elástica, eterna...

2 comentários:

Eliana Mara disse...

Uma ressonância, uma presença suave de Drummond neste poema.
Belos textos.
Parabéns!

Andreia Santana disse...

Obrigada pela visita e pelo incentivo!